Pular para o conteúdo principal

10.o SGESP - 28/7 - A Força da Cooperação Regional na Gestão Pública

        Amanhã, 28/7, o 10.o SGESP demonstrará as possibilidades que as associações de municípios e consórcios intermunicipais trazem para Gestão Pública, em especial no campo das Finanças Municipais, Victor Borges (1) e Ida Franzoso (3) abordarão o assunto pelo aspecto consorcial e Alexandre Cialdini (2) pelo associativo. Victor explanará sobre "importância dos Consórcios Intermunicipais e a experiência das Câmaras Técnicas de Finanças e Tributos" e Ida sobre "Licitações e compras públicas consorciadas", por sua vez Cialdini, discorrerá sobre "Educação Tributária e Fiscal e a cooperação regional".

            Segundo José Mário Brasiliense Carneiro (4), moderador do dia e diretor-presidente da Oficina Municipal, que será responsável pelo conteúdo do dia, "Cresce no estado de São Paulo, e no país como um todo, o número de experiências em arranjos colaborativos de vários tipos entre eles os consórcios intermunicipais sejam eles temáticos ou multifinalitários. Além das áreas clássicas onde se observa o consorciamento tais com a gestão ambiental e da saúde, novos campos de colaboração estão surgindo, dentre eles a área financeira e tributária". 

        Para ele, a tendência de fortalecimento da cooperação horizontal na Federação brasileira deverá se confirmar nas próximas décadas. Ela é fruto da própria Constituição Federal de 1988 que elevou os municípios ao status de ente federativo. A Lei dos Consórcios Públicos (11.107/2005) veio corroborar o projeto político do constituinte no sentido de uma maior colaboração entre os entes federados na perspectiva da descentralização e regionalização. Países de origem anglo-saxã como EUA, Alemanha e Canadá são referências importantes neste processo e as experiências da Argentina e do México, no contexto Latino Americano, merecem ser melhor conhecidas e aprofundadas.

Descrição da temática:

A intenção deste painel é levar aos profissionais e participantes do quinto dia do evento, e fundamentalmente aos contadores, sejam eles da área privada ou pública, os aspectos mais importantes que envolvem as atividades de gestão financeira e tributária realizadas por associações de municípios e consórcios intermunicipais. Além dos aspectos financeiros e tributários serão abordadas questões relativas às licitações e compras públicas consorciadas. 

O painel se justifica pela crescente responsabilidade que as associações e consórcios vêm assumindo como instituições protagonistas no apoio aos municípios que as integram, bem como, na prestação de serviços aos mesmos. Interessante notar que não importa o tamanho dos municípios quando estão operando de forma colaborativa. Especialmente para as pequenas e medias cidades, a cooperação regional é fundamental, por exemplo, na busca de economicidade nas compras de produtos que seriam feitas em pequena quantidade. 

Com maiores volumes se garante melhores preços e se viabilizam serviços que necessitam de economia de escala tais como a coletora e a destinação final de resíduos sólidos. Ao lado das finanças municipais serão levadas em conta também o aspecto da organização tributária que tem permitido a otimização dos órgãos responsáveis pelo recolhimento e controle de impostos municipais e estaduais de forma cooperada.

José Mário Brasiliense Carneiro – Moderador

 
Advogado com especialização em Direito Político, Administrativo e Financeiro pela USP/SP, Doutor em Administração de Empresas e Mestre em Administração Pública pela EAESP/FGV, com Pós-Graduação em Gestão de Projetos pelo PECE-EAESP/FGV e Teologia/Doutrina Social da Igreja pela Pontifícia Universidade Lateranense de Roma. Foi Coordenador de Projetos da Fundação Konrad Adenauer e Consultor da FUNDAP-Governo do Estado de São Paulo. É diretor-presidente e fundador da Oficina Municipal. 

Subtema:

 Consórcios Públicos e Câmaras Tributárias nos Consórcios

Victor Borges
Superintendente do Consórcio CODEVAR (Barretos) 


Possui graduação em Administração de Empresas pela USP e MBA pelo IBMEC. É especialista em Filosofia e pós graduado em Direito eleitoral. É atualmente secretário executivo do CODEVAR (Consórcio de Desenvolvimento do Vale do Rio Grande – SP) e Presidente da Rede Nacional de Consórcios Públicos do Brasil.

Subtema:

 Associação de Municípios e Educação Tributária

Alexandre Cialdini
Ex-presidente da Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais ABRASF

Economista, com mestrado em economia pelo CAEN-Universidade Federal do Ceará e mestrado em Planificação Territorial e Desenvolvimento Regional, pela Universidade de Barcelona. Especialista em Finanças Públicas Avançadas, pela EBAPE- FGV-RJ e em Políticas Fiscais pelo ILPES (CEPAL) e doutorando em Administração Pública pelo ISCSP/ULisboa. Auditor Fiscal da Secretaria da Fazenda, desde 1994. Foi secretário de Finanças de Fortaleza(2005-2012), Secretário de Finanças de São Bernardo do Campo(2012-2014). Presidente da ABRASF (2010-2012) e integrante do Comitê Gestor do Simples Nacional(2007-2011).

Subtema:

 Licitações e Compras Públicas em Consórcios Intermunicipais

Ida Franzoso
Superintendente do Consórcio CIVAP (Assis)


Química, formada pela Universidade Estadual de Londrina-Paraná
Lecionou Ciências Exatas durante 23 anos na rede Pública de Ensino do Estado de São Paulo.Foi Vereadora do Município de Pedrinhas Paulista de 1993 a 1996
Foi Prefeita do Município de Pedrinhas Paulista de 1997 a 2000 e de 2001 a 2004.
Foi Presidente do CIVAP E Civap/Saúde nos anos de 1998-1999-2001-2004

Ficha técnica:

Dia 28/7/2021 - das 9 às 12 horas

Site do evento: https://www.sgesp.com.br/

Inscrições: para certificados

Detalhes dos painéis diários: Blog com últimas notícias

Link para assistir no Youtube

Link para assistir no Facebook

Fale conosco: assefinsp@gmail.com 

Detalhes em todos os dias (link na data):

Blog do evento com todos os detalhes: aqui

20/07 - Abertura com dirigentes fazendários e autoridades municipalistas

21/07 - A gestão eficaz e integrada da Contabilidade Pública

22/07 - Receita Federal do Brasil - Colaboração e intercâmbio com os municípios

23/07 – A proteção dos dados públicos e a prestação de contas do 3.o Setor

28/07 – A força da cooperação regional na gestão pública

29/07 – A gestão municipal nos controles internos, regimes de compras públicas e ferramentas de transparência

30/07 – A importância do Código Tributário para uma gestão moderna e eficiente



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SIAFIC - Comitê Gestor: Sistema Único é um software!

Aponte ^ a câmera do seu celular no  QR Code  (ou clique na figura) e participe! Como participar do Café da Manhã: 1. Para receber certificado: Inscrição 2. Para assistir: Youtube  - Facebook SIAFIC: Comitê Gestor firma entendimento de Sistema Único: ele é um software !         Desde o ano 2000, com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) existe uma palavra de ordem para os entes da Federação:  transparência  nas informações! O fundamento principal é a " liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira, em meios eletrônicos de acesso público".         Em 2009 aparece um conceito complementar à transparência dos gastos públicos para os entes da Federação, o de que também devem incentivar audiências públicas, o da adoção de um  sistema integrado  e que tenha um  padrão mínimo de qualidade .            Desta forma, foi editado o Decreto n.o 7.186 de 27/5/2010, o

10.o SGESP - 20/7 - Abertura

         A abertura do 10.o SGESP ocorreu n o dia 20/7/2021, às 9 horas, com a presença de titulares de  entidades municipalistas e fazendárias.            Este ano o tema do seminário foi A Gestão Fazendária na Era Digital, assunto que não se esgotará tão cedo tendo em vista o estágio de nossos municípios, principalmente tendo enfrentado uma enorme crise na saúde, que ainda não se findou.          Todos os que participaram foram unânimes, a Era Digital já está aí, será o fim do papel, das filas em guichês e o avanço da inteligência artificial, ajudando os contribuintes, os cidadãos, mas, principalmente os servidores públicos que, ao invés de executarem seus serviços de forma automática, passarão a atuar na ciência e modernização de suas funções, sem perder a humanização.          Estamos longe? Pode ser, mas não podemos ignorar - o digital já chegou!          Especificamente na abertura, como ocorre t radicionalmente nos nossos eventos, os convidados da ASSEFIN apresentaram também as

IRRF injetará milhões na arrecadação municipal

            Bate-papo com secretários de finanças às 17 h dia 27-10           Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário com Repercussão Geral n.o 1.293.453 e na Ação Cível Originária no 2897, foi declarada  constitucional a incidência e a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte pelos municípios, estados e DF, sobre todos os pagamentos .         Duas coisas são importantes e merecem os grifos que fizemos acima, a repercussão geral , ou seja, o julgamento não atende só o município que apelou, e é i ncorporada à arrecadação municipal , todas as retenções na fonte de imposto de renda, não só pela incidência sobre o pagamento aos servidores, na folha de pagamento, mas também pelo que for pago aos fornecedores e prestadores de serviços.          A Receita Federal do Brasil vinha autuando os municípios que não repassavam o produto da arrecadação deste tributo, inclusive negando certidão negativa, entendendo que só o que era