Pular para o conteúdo principal

10.o SGESP - 22/7 - RFB - Colaboração e intercâmbio com os municípios

    No dia 22/7/2021 - o 10.o SGESP mais uma vez contará dirigentes da Receita Federal do Brasil, auditores-fiscais, que sempre abordam temas que envolvem os municípios brasileiros, principalmente em forma de parceria.

Adriano Pereira Subirá (Moderador)


Auditor Fiscal da Receita Federal
Na RFB desde fev/93
Mestrado em Administração Tributária pela UNED Espanha
Consultor externo do FMI
Chefe da ASCIF/RFB - Relações Institucionais da Receita Federal

Tema:

Conformidade Cooperativa, e a experiência da Receita Federal com a Conformidade Tributária

Flávio Vilela Campos

Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, atualmente na gerência dos projetos de “Gerenciamento de Riscos de Conformidade – GRC” e de “Conformidade Cooperativa Fiscal – Confia” da Receita Federal do Brasil

Tema: 

Cadastro Imobiliário Brasileiro (CIB)

José Renato Alves Gomes

Pós-graduado em redes de computadores pela Universidade Federal do Pará.
Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil desde o ano 2002.
Chefiou unidades como Inspetor em Porto de Santana/AP, Delegado-Adjunto em Belém/PA, e Divisão de Repressão ao Contrabando e Descaminho na 2ªRF (Amazônia).
Desde 2019 é o Gerente Nacional do Projeto SINTER - Sistema Nacional de Gestão de Informações Territoriais.

Tema: 

SISOBRAPREF e outros assuntos relativos a obras

Marcos Jonck

Equipe Nacional de Cobrança de Obras da RFB

Delegacia da Receita Federal em Maringá/PR

Superintendência Regional da RFB na 9ª Região Fiscal (PR e SC)

Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil

Analista-Tributário da RFB desde 2004. Responsável pela Equipe do SISOBRAPREF dentro da Equipe de EOBRA NACIONAL e também responsável pelo Fale Conosco no tema e atualizações de Perguntas e respostas inerentes – dando suportes aos gestores Municipais na questão. É do quadro da DRF/Joinville e exerce as suas funções na DRF/Maringá.

Tema: 

Obrigações Tributárias dos Municípios para com a Receita Federal

Vânio Stang Buss 

EOPP09 – Equipe de Atendimento aos Órgãos do Poder Público

Delegacia da Receita Federal em Maringá/PR

Superintendência Regional da RFB na 9ª Região Fiscal (PR e SC)

Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil

Vânio Stang Buss é Auditor Fiscal da RFB, da DRF de Florianópolis/SC e em Exercício na DRF de Maringá/PR.

Profundo conhecedor no trato do acompanhamento dos órgãos do poder público com ótima experiência – dando suporte aos gestores Municipais na questão.


Ficha técnica:

Dia 22/7/2021 - das 9 às 12 horas

Site do evento: https://www.sgesp.com.br/

Inscrições: para certificados

Detalhes dos painéis diários: Blog com últimas notícias

Link para assistir no Youtube

Link para assistir no Facebook

Fale conosco: assefinsp@gmail.com 

Detalhes em todos os dias (link na data):

20/07 - Abertura com dirigentes fazendários e autoridades municipalistas

21/07 - A gestão eficaz e integrada da Contabilidade Pública

22/07 - Receita Federal do Brasil - Colaboração e intercâmbio com os municípios

23/07 – A proteção dos dados públicos e a prestação de contas do 3.o Setor

28/07 – A força da cooperação regional na gestão pública

29/07 – A gestão municipal nos controles internos, regimes de compras públicas e ferramentas de transparência

30/07 – A importância do Código Tributário para uma gestão moderna e eficiente

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SIAFIC - Comitê Gestor: Sistema Único é um software!

Aponte ^ a câmera do seu celular no  QR Code  (ou clique na figura) e participe! Como participar do Café da Manhã: 1. Para receber certificado: Inscrição 2. Para assistir: Youtube  - Facebook SIAFIC: Comitê Gestor firma entendimento de Sistema Único: ele é um software !         Desde o ano 2000, com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) existe uma palavra de ordem para os entes da Federação:  transparência  nas informações! O fundamento principal é a " liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira, em meios eletrônicos de acesso público".         Em 2009 aparece um conceito complementar à transparência dos gastos públicos para os entes da Federação, o de que também devem incentivar audiências públicas, o da adoção de um  sistema integrado  e que tenha um  padrão mínimo de qualidade .            Desta forma, foi editado o Decreto n.o 7.186 de 27/5/2010, o

10.o SGESP - 20/7 - Abertura

         A abertura do 10.o SGESP ocorreu n o dia 20/7/2021, às 9 horas, com a presença de titulares de  entidades municipalistas e fazendárias.            Este ano o tema do seminário foi A Gestão Fazendária na Era Digital, assunto que não se esgotará tão cedo tendo em vista o estágio de nossos municípios, principalmente tendo enfrentado uma enorme crise na saúde, que ainda não se findou.          Todos os que participaram foram unânimes, a Era Digital já está aí, será o fim do papel, das filas em guichês e o avanço da inteligência artificial, ajudando os contribuintes, os cidadãos, mas, principalmente os servidores públicos que, ao invés de executarem seus serviços de forma automática, passarão a atuar na ciência e modernização de suas funções, sem perder a humanização.          Estamos longe? Pode ser, mas não podemos ignorar - o digital já chegou!          Especificamente na abertura, como ocorre t radicionalmente nos nossos eventos, os convidados da ASSEFIN apresentaram também as

IRRF injetará milhões na arrecadação municipal

            Bate-papo com secretários de finanças às 17 h dia 27-10           Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário com Repercussão Geral n.o 1.293.453 e na Ação Cível Originária no 2897, foi declarada  constitucional a incidência e a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte pelos municípios, estados e DF, sobre todos os pagamentos .         Duas coisas são importantes e merecem os grifos que fizemos acima, a repercussão geral , ou seja, o julgamento não atende só o município que apelou, e é i ncorporada à arrecadação municipal , todas as retenções na fonte de imposto de renda, não só pela incidência sobre o pagamento aos servidores, na folha de pagamento, mas também pelo que for pago aos fornecedores e prestadores de serviços.          A Receita Federal do Brasil vinha autuando os municípios que não repassavam o produto da arrecadação deste tributo, inclusive negando certidão negativa, entendendo que só o que era