Pular para o conteúdo principal

10.o SGESP - 23/7 - A proteção dos dados públicos e a prestação de contas do 3o Setor

     No dia 23/7/2021 - docentes e especialistas abordarão tópicos ligados a dois assuntos de muita preocupação, o controle de dados no setor público e o gerenciamento das receitas públicas pelo terceiro setor

Paulo Roberto Galvão (Moderador)

Mestre em Ciências Contábeis e Pós-Graduação em Direito Tributário.
Já foi membro da Comissão da Área Pública do CRC/SP e foi Secretário Municipal de Finanças do Município de Jundiaí.
Atualmente é Diretor da Paulo Galvão Consultoria Empresarial e Governamental, Coordenador de Pós-Graduação no Senac Jundiaí/SP, Palestrante do CRC/SP e docente  na FECAP, no Insper e Unianchieta, docente e consultor do IBEGESP, Professor e Coordenador de Cursos da Escola Superior de Gestão e Contas Públicas Conselheiro Eurípedes Sales no TCM/SP. 
Autor de diversos livros publicados.

Tema:

O gerenciamento das receitas públicas pelo terceiro setor

Luiz Fernando Nóbrega

Contador e Compliance Officer, MBA em Liderança pela Anderson University (USA), Docente do Ensino Superior na Graduação e Pós Graduação, Palestras no Estado de São Paulo, Brasil e Exterior, Presidente do Conselho Reginonal de Contabilidade do Estado de São Paulo (2012-2013), Vice-Presidente de Ética e Disciplina do Conselho Federal de Contabilidade (2014-2017), Co-Autor do Livro Compliance Tributário: Práticas, Riscos e Atualidades.

Airton Grazzioli

Advogado graduado pela USP. Oficial de Compliance pela LEC, certificado pela FGV.
Promotor de Justiça aposentado, tendo permanecido na Carreira por 30 anos, atuando especialmente na Promotoria de Justiça de Fundações e Entidades de Interesse Social de São Paulo entre 2005 e 2019. Mestre em Direito pela PUC-SP. Especialista em Direitos Difusos e Coletivos pela Escola Superior do MP-SP. Autor de diversas obras referentes ao Terceiro Setor, dentre elas: FUNDAÇÕES PRIVADAS - DOUTRINA E PRÁTICA; FUNDAÇÕES PRIVADAS - DAS RELAÇÕES DE PODER À RESPONSABILIDADE DOS DIRIGENTES; COMPLIANCE NO TERCEIRO SETOR, dentre outras.

Tema:

O controle de dados no setor público

Vera Wolff Bava

Advogada graduada pela USP. Oficial de Compliance e LGPD. Procuradora do Estado de São Paulo aposentada, tendo permanecido na Carreira por 26 anos, atuando nas Secretarias de Estado da Fazenda e da Cultura, bem como no Tribunal de Contas do Estado. Ocupou posteriormente os cargos de Corregedora Geral da Administração e Ouvidora Geral do Estado, tendo sólido conhecimento em Direito Administrativo, Direito do Terceiro Setor, Compliance, LGPD e Controles interno, externo e social.

Ficha técnica:

Dia 23/7/2021 - das 9 às 12 horas

Site do evento: https://www.sgesp.com.br/

Inscrições: para certificados

Detalhes dos painéis diários: Blog com últimas notícias

Link para assistir no Youtube

Link para assistir no Facebook

Fale conosco: assefinsp@gmail.com 

Detalhes em todos os dias (link na data):

Blog do evento com todos os detalhes: aqui

20/07 - Abertura com dirigentes fazendários e autoridades municipalistas

21/07 - A gestão eficaz e integrada da Contabilidade Pública

22/07 - Receita Federal do Brasil - Colaboração e intercâmbio com os municípios

23/07 – A proteção dos dados públicos e a prestação de contas do 3.o Setor

28/07 – A força da cooperação regional na gestão pública

29/07 – A gestão municipal nos controles internos, regimes de compras públicas e ferramentas de transparência

30/07 – A importância do Código Tributário para uma gestão moderna e eficiente


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SIAFIC - Comitê Gestor: Sistema Único é um software!

Aponte ^ a câmera do seu celular no  QR Code  (ou clique na figura) e participe! Como participar do Café da Manhã: 1. Para receber certificado: Inscrição 2. Para assistir: Youtube  - Facebook SIAFIC: Comitê Gestor firma entendimento de Sistema Único: ele é um software !         Desde o ano 2000, com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) existe uma palavra de ordem para os entes da Federação:  transparência  nas informações! O fundamento principal é a " liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira, em meios eletrônicos de acesso público".         Em 2009 aparece um conceito complementar à transparência dos gastos públicos para os entes da Federação, o de que também devem incentivar audiências públicas, o da adoção de um  sistema integrado  e que tenha um  padrão mínimo de qualidade .            Desta forma, foi editado o Decreto n.o 7.186 de 27/5/2010, o

10.o SGESP - 20/7 - Abertura

         A abertura do 10.o SGESP ocorreu n o dia 20/7/2021, às 9 horas, com a presença de titulares de  entidades municipalistas e fazendárias.            Este ano o tema do seminário foi A Gestão Fazendária na Era Digital, assunto que não se esgotará tão cedo tendo em vista o estágio de nossos municípios, principalmente tendo enfrentado uma enorme crise na saúde, que ainda não se findou.          Todos os que participaram foram unânimes, a Era Digital já está aí, será o fim do papel, das filas em guichês e o avanço da inteligência artificial, ajudando os contribuintes, os cidadãos, mas, principalmente os servidores públicos que, ao invés de executarem seus serviços de forma automática, passarão a atuar na ciência e modernização de suas funções, sem perder a humanização.          Estamos longe? Pode ser, mas não podemos ignorar - o digital já chegou!          Especificamente na abertura, como ocorre t radicionalmente nos nossos eventos, os convidados da ASSEFIN apresentaram também as

IRRF injetará milhões na arrecadação municipal

            Bate-papo com secretários de finanças às 17 h dia 27-10           Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário com Repercussão Geral n.o 1.293.453 e na Ação Cível Originária no 2897, foi declarada  constitucional a incidência e a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte pelos municípios, estados e DF, sobre todos os pagamentos .         Duas coisas são importantes e merecem os grifos que fizemos acima, a repercussão geral , ou seja, o julgamento não atende só o município que apelou, e é i ncorporada à arrecadação municipal , todas as retenções na fonte de imposto de renda, não só pela incidência sobre o pagamento aos servidores, na folha de pagamento, mas também pelo que for pago aos fornecedores e prestadores de serviços.          A Receita Federal do Brasil vinha autuando os municípios que não repassavam o produto da arrecadação deste tributo, inclusive negando certidão negativa, entendendo que só o que era