Pular para o conteúdo principal

IRRF injetará milhões na arrecadação municipal

         

Bate-papo com secretários de finanças às 17 h dia 27-10

        Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário com Repercussão Geral n.o 1.293.453 e na Ação Cível Originária no 2897, foi declarada constitucional a incidência e a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte pelos municípios, estados e DF, sobre todos os pagamentos.

        Duas coisas são importantes e merecem os grifos que fizemos acima, a repercussão geral, ou seja, o julgamento não atende só o município que apelou, e é incorporada à arrecadação municipal, todas as retenções na fonte de imposto de renda, não só pela incidência sobre o pagamento aos servidores, na folha de pagamento, mas também pelo que for pago aos fornecedores e prestadores de serviços.

        A Receita Federal do Brasil vinha autuando os municípios que não repassavam o produto da arrecadação deste tributo, inclusive negando certidão negativa, entendendo que só o que era retido de seus funcionários podia ser incorporado à receita municipal.

        O dr. Ricardo Almeida Ribeiro da Silva, procurador do município do RJ, e assessor jurídico da ABRASF, um dos maiores defensores dessa tese em todos os tribunais, levantou que a arrecadação sobre o retido de fornecedores e prestadores de serviços, em 2018, era de R$ 60 bilhões, estando nesses cálculos também a arrecadação dos Estados. 

        Para ele, "considerando que muitos municípios não fazem nenhuma retenção, essa arrecadação pode ser até três vezes maior", e isso já pode ocorrer imediatamente, tanto que ele comemorou o fato do município do Rio de Janeiro já expedir um Decreto (Rio n.o 49.593) nesse sentido no último dia 18 de outubro.

Bate-papo com secretários municipais

        A ASSEFIN - Associação das Secretarias Municipais do Estado de São Paulo marcou um reunião com o Dr. Ricardo Almeida no próximo dia 27 de outubro, quarta-feira, às 17 horas, quando ele explicará que a decisão pode atender também à algumas entidades da administração indireta, caso das autarquias.

        Ele comentará sobre a amplitude dessa decisão, considerando a firme decisão da Receita Federal do Brasil sobre o assunto, a necessidade da alteração dos contratos com prestadores e fornecedores, e classificação dessas receitas decorrentes de retenções.         

Serviço

Assembleia da ASSEFIN-SP às 16 horas do dia 27/10/2021
Início previsto para 16h30 em segunda chamada

Palestra do dr. Ricardo Almeida Ribeiro da Silva
Início 17 horas

Todo o evento será transmitido unicamente pela plataforma Zoom

Para os secretários representantes das cidades filiadas à ASSEFIN
Será permitido convidar assistentes e procuradores dos municípios. 

Veja aqui a convocação da Assembleia

Artigo que detalha a decisão - JOTA
Como cobrar o IRRF depois da decisão do STF?


      


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

11o SGESP - 20/7 - Contabilidade Pública terá SIAFIC, SICONFI e RPPS

Contabilidade Aplicada ao Setor Público  Nada evolui tanto na gestão pública como a área contábil, e nós sempre acompanhamos essas transformações. Entre tantos temas, certamente a fusão que será feita pelo SIAFIC estará em pauta  Breafing           A transparência pública, que tem como pilar o controle social, ou seja, o interesse do cidadão, tema central do seminário , será um dos temas amanhã do 11.o SGESP. Para isso a Secretaria do Tesouro criou um Ranking da Qualidade da Informação Contábil na transparência da gestão fiscal. Este tema - a transparência dos dados públicos, - voltará a ser discutido ao longo dos próximos 6 dias das palestras.            O painel será desenvolvido por  Leandro Moreira Souto,  Auditor Federal de Finanças e Controle da Secretaria do Tesouro Nacional, que é Coordenador de Transparência e Análise de Dados da Federação, da STN. SIAFIC      Leandro falará também sobre o Decreto 10.540 de 20020, que regula o  Sistema Único e Integrado de Execução Orçamentári

11.o SGESP terá mais de 30 painéis, veja a programação com detalhes

     Começou no último dia 19 de julho de 2022, e se estende até o dia 28, o  11.o SGESP - Seminário de Gestão Pública Fazendária, organizado pela ASSEFIN - Associação das Secretarias Municipais de Finanças do Estado de São Paulo. Serão 7 dias, considerando a abertura com entidades fazendárias e municipalistas que o apoiam, no dia 19, é totalmente virtual e gratuito, sempre com 3 horas de duração, das 9 às 12 horas. Veja as entidades que o apoiam e toda a programação com todos os detalhes nos links que oferecermos no fim desta matéria.      O SGESP é notório por suas parcerias, começando pelo Conselho Regional de Contabilidade do Estado de SP, que o transmite, inclui e pontua no seu Programa de Educação Continuada - PEPC, e conta também com o setor de Contabilidade Pública da Secretaria do Tesouro Nacional, Receita Federal do Brasil, Tribunal de Contas do Estado de SP e a Oficina Municipal, com a alemã Fundação Konrad Adenauer.       Este ano ele contará com 31 palestras que transitam

11o SGESP - 19/7 - Abertura

Abertura com autoridades e entidades municipalistas    O tema do SGESP este ano é Excelência dos Serviços Fazendários – Por uma gestão pública voltada aos interesses sociais.     Os procedimentos para o atendimento ao cidadão foram muito modificados pela pandemia, principalmente nas áreas fazendárias, da educação e da saúde. Na saúde a explosão do atendimento na pandemia, a educação abriu um hiato de 2 anos para nossas crianças, e, na área fazendária, muitos mecanismos novos surgiram, o principal foi a interrupção do atendimento presencial.     Essa interrupção afeta ao contribuinte e ao seu maior representante na área tributária, o contador, é este profissional e suas profissões derivadas que não só escrituram todos os fenômenos, como também o representa cidadãos e empresas nas repartições. Agora cabe estudarmos e nos adaptarmos ao que teve de bom no crescimento do atendimento online, mas não inibirmos o atendimento presencial, quando necessário.   Por outro lado, o cidadão, que teve