Pular para o conteúdo principal

IRRF injetará milhões na arrecadação municipal

         

Bate-papo com secretários de finanças às 17 h dia 27-10

        Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário com Repercussão Geral n.o 1.293.453 e na Ação Cível Originária no 2897, foi declarada constitucional a incidência e a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte pelos municípios, estados e DF, sobre todos os pagamentos.

        Duas coisas são importantes e merecem os grifos que fizemos acima, a repercussão geral, ou seja, o julgamento não atende só o município que apelou, e é incorporada à arrecadação municipal, todas as retenções na fonte de imposto de renda, não só pela incidência sobre o pagamento aos servidores, na folha de pagamento, mas também pelo que for pago aos fornecedores e prestadores de serviços.

        A Receita Federal do Brasil vinha autuando os municípios que não repassavam o produto da arrecadação deste tributo, inclusive negando certidão negativa, entendendo que só o que era retido de seus funcionários podia ser incorporado à receita municipal.

        O dr. Ricardo Almeida Ribeiro da Silva, procurador do município do RJ, e assessor jurídico da ABRASF, um dos maiores defensores dessa tese em todos os tribunais, levantou que a arrecadação sobre o retido de fornecedores e prestadores de serviços, em 2018, era de R$ 60 bilhões, estando nesses cálculos também a arrecadação dos Estados. 

        Para ele, "considerando que muitos municípios não fazem nenhuma retenção, essa arrecadação pode ser até três vezes maior", e isso já pode ocorrer imediatamente, tanto que ele comemorou o fato do município do Rio de Janeiro já expedir um Decreto (Rio n.o 49.593) nesse sentido no último dia 18 de outubro.

Bate-papo com secretários municipais

        A ASSEFIN - Associação das Secretarias Municipais do Estado de São Paulo marcou um reunião com o Dr. Ricardo Almeida no próximo dia 27 de outubro, quarta-feira, às 17 horas, quando ele explicará que a decisão pode atender também à algumas entidades da administração indireta, caso das autarquias.

        Ele comentará sobre a amplitude dessa decisão, considerando a firme decisão da Receita Federal do Brasil sobre o assunto, a necessidade da alteração dos contratos com prestadores e fornecedores, e classificação dessas receitas decorrentes de retenções.         

Serviço

Assembleia da ASSEFIN-SP às 16 horas do dia 27/10/2021
Início previsto para 16h30 em segunda chamada

Palestra do dr. Ricardo Almeida Ribeiro da Silva
Início 17 horas

Todo o evento será transmitido unicamente pela plataforma Zoom

Para os secretários representantes das cidades filiadas à ASSEFIN
Será permitido convidar assistentes e procuradores dos municípios. 

Veja aqui a convocação da Assembleia

Artigo que detalha a decisão - JOTA
Como cobrar o IRRF depois da decisão do STF?


      


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SIAFIC - Comitê Gestor: Sistema Único é um software!

Aponte ^ a câmera do seu celular no  QR Code  (ou clique na figura) e participe! Como participar do Café da Manhã: 1. Para receber certificado: Inscrição 2. Para assistir: Youtube  - Facebook SIAFIC: Comitê Gestor firma entendimento de Sistema Único: ele é um software !         Desde o ano 2000, com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) existe uma palavra de ordem para os entes da Federação:  transparência  nas informações! O fundamento principal é a " liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira, em meios eletrônicos de acesso público".         Em 2009 aparece um conceito complementar à transparência dos gastos públicos para os entes da Federação, o de que também devem incentivar audiências públicas, o da adoção de um  sistema integrado  e que tenha um  padrão mínimo de qualidade .            Desta forma, foi editado o Decreto n.o 7.186 de 27/5/2010, o

10.o SGESP - 20/7 - Abertura

         A abertura do 10.o SGESP ocorreu n o dia 20/7/2021, às 9 horas, com a presença de titulares de  entidades municipalistas e fazendárias.            Este ano o tema do seminário foi A Gestão Fazendária na Era Digital, assunto que não se esgotará tão cedo tendo em vista o estágio de nossos municípios, principalmente tendo enfrentado uma enorme crise na saúde, que ainda não se findou.          Todos os que participaram foram unânimes, a Era Digital já está aí, será o fim do papel, das filas em guichês e o avanço da inteligência artificial, ajudando os contribuintes, os cidadãos, mas, principalmente os servidores públicos que, ao invés de executarem seus serviços de forma automática, passarão a atuar na ciência e modernização de suas funções, sem perder a humanização.          Estamos longe? Pode ser, mas não podemos ignorar - o digital já chegou!          Especificamente na abertura, como ocorre t radicionalmente nos nossos eventos, os convidados da ASSEFIN apresentaram também as