Pular para o conteúdo principal

Contador, o cérebro da administração

        

        Fomos dar uma passeada pela história, sendo contador desde 1968, ou seja há mais de 50 anos,  e não tem nada que nos encante mais do que as partidas dobradas. Depois vem todo o resto da ciência contábil, em minhas aulas sempre falei - "como algo aritmético que é lançado 'dos dois lados' pode dar diferença no fim?" rss. É inconcebível! O criador dessa técnica é Luca Pacioli, um frade franciscano, bom em matemática, italiano de nascimento (1445-1517-Veneza).

        Ou seja, o método contábil utilizado até hoje é mais velho que o Brasil, depois instituiu-se 25 de abril como o Dia da Contabilidade e, 22 de setembro Dia do Contador: esse é o nosso assunto de hoje.

         Uma vez procuramos um amigo, dono de escritório de contabilidade, com a sugestão de montarmos cursos de contabilidade gratuitos, os formandos seriam os instrutores futuros, ideia que deu muito certo em outros países, ciências e universidades. Estarrecido ouvi: "Deixa disso Nalini, com os novos programas para computadores não precisa aprender contabilidade!". Está perdoado, já deve ter mudado de opinião.

        Isso nos faz lembrar também de uma grande empresa, mais do que bilionária, quando ela montou um CPD - Centro de Processamento de Dados, teve que reduzir o quadro de funcionários administrativos, já que muitos serviços estavam duplicados. Seria a máquina substituindo o ser humano, mas a ação de modernização, entre outras, permitiu que ela crescesse muito e hoje deve ter, mais ou menos, 10 mil vezes mais funcionários para cada um demitido à época.

        Reduzir o contador apenas ao controle dos números, é ignorar a sua importância na interpretação dos resultados e formação de ideias,  não oferecer a eles a chance de se capacitar, causa um risco fácil de prever. Tem Estado no Brasil que não consegue conciliar suas contas bancárias. O quê? Tem Estado que, em um operação financeira, lança uma coisa e o banco lança outra? Tem! Nesse caso a solução é, primeiro, investir em pessoas, ampliar o quadro com esses profissionais, etc., daí sim, melhorar o ambiente de trabalho e a tecnologia. No exemplo, se não controla nem o banco, imagina o resto.

        No cotidiano nos deparamos com as seguintes situações:  Preciso abrir uma empresa, qual será o melhor formato dela?  Nossa, apareceu um imóvel no inventário que nunca declaramos, e agora? Esse ano gastei mais do que ganhei... hum... Estou pagando 'muito' imposto, preciso 'economizar', aff. Vou fazer uma grande aquisição, que envolve a família toda e também a nossa empresa..  Quem procuramos? Parei a lista porque não tem fim.

        Os profissionais da saúde, falo de médicos, não tem tempo para nada, estão quebrando a cabeça para salvar nossas vidas, quem é o salva-guarda para suas contas e controles? As verbas para financiar a pandemia vieram de três formas, como foi controlado isto? A verba deste ano pode ser utilizada no ano que vem? Mudou a forma de calcular o Fundo de Ensino... 

        A figura do contador é da pessoa quieta, a que 'mais trabalha', e já se acostumou, quando tiver fechando o mês, ou as contas do ano anterior, os dados do outro exercício financeiro já estão se acumulando em lançamentos e decisões. 

        Uma vez uma contadora, que assumiu uma secretaria de finanças, disse para seus colegas em uma reunião de planejamento, "gente, como vocês arrumam tempo para 'isso'", ela queria dizer reunir, trocar informações, etc.  Foi dito a ela, "não é sobra de tempo... você é que trabalha demais", todos riram com a inusitada brincadeira, mas tem filosofia aí.  

        É alarmante, um sem número de prefeituras do país não tem a figura do contador efetivo, concursado ou estatutário, fiam-se nas boas consultorias espalhadas pelo Brasil, mas tem que torcer para elas não contratarem muito serviço ou pior, desaparecerem. É bom avisar ao prefeito que os números que produzirão as suas contas, passíveis de julgamento futuro, são produzidos pelos contadores. 

        Conclusão - se o administrador não contrata profissionais qualificados, ou se tem não oferece condição e tempo para ele, se também não o convoca com insistência, para ajudar a 'pensar', abdica de uma boa administração, não tem ninguém que tenha tanta visão global dos números de uma entidade!         Lembramos que TODOS os sistemas de controles, seja dos tribunais, os internos, ou os da federação, utilizam-se das informações contábeis. Inclusive para imputar erros graves. Na iniciativa privada temos o fisco, que fica sem comentários, declare errado para ver.

        Uma contadora pública nos contou que, tempos atrás, avisou aos administradores que se gastassem mais um real com os órgãos de imprensa , divulgando programas, o prefeito candidato à reeleição correria o risco de se tornar inelegível, há limites para isso, bingo! Nas eleições, feita a denúncia, pela oposição, as contas foram parar na Justiça, que as enviou para o Tribunal de Contas daquele Estado, e que, depois de auditadas, por pouco, muito pouco, o erro não se materializou. O fato não está em livros.

    Desta forma, partindo de um contador, que se autodenomina economista, mas que nunca deixou de ser um contador, quero enviar um enorme abraço para os profissionais dessa área e das outras  correlatas.

    Parabéns colegas contadores, o reconhecimento é implícito, mas vamos esperar que ele se materialize!

Francisco Sérgio Nalini
Secretário-Executivo da ASSEFIN-SP

Em Tempo: 

1. O presidente da ASSEFIN, Adriano Luiz Leocadio envia um grande abraço aos profissionais da contabilidade pelo seu dia, "principalmente aos do serviço público", comemora ele.

2. Nas fotos acima, faltou o crédito ao meu primeiro chefe da área, Amadeu Brigagão do Couto, dos Calçados Sândalo, trabalhei com ele logo depois de formado, em 1969, já cursava economia na FACEAF, o que alavancou a minha carreira. 

3 - Cadastre-se no Grupo de Gestão e Contabilidade da ASSEFIN - aqui

4 - Em quais as datas são comemorados os dias ligados à contabilidade - aqui

5 - Gentileza da amiga Diana Lima

22/09 - Dia do Contador

12/01 - Dia do Empresário Contábil

25/04 - Dia da Contabilidade…do Contabilista

20/11 - Dia do Técnico em Contabilidade



Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

10.o SGESP - 20/7 - Abertura

         A abertura do 10.o SGESP ocorreu n o dia 20/7/2021, às 9 horas, com a presença de titulares de  entidades municipalistas e fazendárias.            Este ano o tema do seminário foi A Gestão Fazendária na Era Digital, assunto que não se esgotará tão cedo tendo em vista o estágio de nossos municípios, principalmente tendo enfrentado uma enorme crise na saúde, que ainda não se findou.          Todos os que participaram foram unânimes, a Era Digital já está aí, será o fim do papel, das filas em guichês e o avanço da inteligência artificial, ajudando os contribuintes, os cidadãos, mas, principalmente os servidores públicos que, ao invés de executarem seus serviços de forma automática, passarão a atuar na ciência e modernização de suas funções, sem perder a humanização.          Estamos longe? Pode ser, mas não podemos ignorar - o digital já chegou!          Especificamente na abertura, como ocorre t radicionalmente nos nossos eventos, os convidados da ASSEFIN apresentaram também as

SIAFIC - Comitê Gestor: Sistema Único é um software!

Aponte ^ a câmera do seu celular no  QR Code  (ou clique na figura) e participe! Como participar do Café da Manhã: 1. Para receber certificado: Inscrição 2. Para assistir: Youtube  - Facebook SIAFIC: Comitê Gestor firma entendimento de Sistema Único: ele é um software !         Desde o ano 2000, com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) existe uma palavra de ordem para os entes da Federação:  transparência  nas informações! O fundamento principal é a " liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira, em meios eletrônicos de acesso público".         Em 2009 aparece um conceito complementar à transparência dos gastos públicos para os entes da Federação, o de que também devem incentivar audiências públicas, o da adoção de um  sistema integrado  e que tenha um  padrão mínimo de qualidade .            Desta forma, foi editado o Decreto n.o 7.186 de 27/5/2010, o

IRRF injetará milhões na arrecadação municipal

            Bate-papo com secretários de finanças às 17 h dia 27-10           Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário com Repercussão Geral n.o 1.293.453 e na Ação Cível Originária no 2897, foi declarada  constitucional a incidência e a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte pelos municípios, estados e DF, sobre todos os pagamentos .         Duas coisas são importantes e merecem os grifos que fizemos acima, a repercussão geral , ou seja, o julgamento não atende só o município que apelou, e é i ncorporada à arrecadação municipal , todas as retenções na fonte de imposto de renda, não só pela incidência sobre o pagamento aos servidores, na folha de pagamento, mas também pelo que for pago aos fornecedores e prestadores de serviços.          A Receita Federal do Brasil vinha autuando os municípios que não repassavam o produto da arrecadação deste tributo, inclusive negando certidão negativa, entendendo que só o que era