Pular para o conteúdo principal

Rio Preto sugere REFIS de exceção em ano eleitoral - Boletim ASSEFIN CVD 15 - 22/5/2020

1 - Secretário de Finanças de São José do Rio Preto conclama colegas para tentar aprovar REFIS mesmo em ano eleitoral

2 - TCE e AUDESP vão explicar Plano Diretor de Tecnologia da Informação no SGESP

3 - Notícia do Planalto detalha a distribuição do auxílio financeiro aos municípios. 

4 - FNP acredita que acordo da Lei Kandir no STF pode render R$ 5,2 bilhões aos municípios, e

5 - Entende que pagamento de precatórios precisam ser prorrogados.

6 - STJ decide que municípios não precisam criar cargos para advocacia pública


1 - Secretário de Finanças de São José do Rio Preto conclama colegas para tentar aprovar REFIS mesmo em ano eleitoral. O argumento de Angelo Bevilacqua é que esta seria uma forma de permitir que as prefeituras façam caixa e os municípios possam deixar de se negativar numa hora de tantas restrições.

O que você acha disso?  envie por assefinsp@gmail.com 

Veja a nota de Rio Preto na íntegra no fim deste boletim.



2 - O Tribunal de Contas do Estado de SP confirmou sua presença no 9.o SGESP Virtual no dia 30/7 - Em reunião realizada hoje de manhã com o dr. Sérgio Rossi (Conselheiro - Diretor Geral) e Marcos Portella Miguel (Diretor da Audesp) foi fechado o formato da participação que será conduzida pela equipe da AUDESP.

A apresentação daquela entidade será das 10 às 12 hora do dia 30/7 e terá a primeira parte conduzida pelos responsáveis do IEG-M - Índice de Efetividade da Gestão Municipal. 

Como o índice envolve também avaliações não atinentes ao ambiente fazendário, optou-se em tratar dos seguintes: i-Planejamento (execução orçamentária - metas alcanças x projetos - etc; i-Fiscal (orçamento - transparência - LRF) e i-Governança de Tecnologia e Informação (segurança dos dados- benefícios para a população - capacitação pessoal).

O destaque ficará pelo PDTI - Plano Diretor de Tecnologia e Informação, obrigatório, que tem pesado nas avaliações nos municípios que ainda não o implantaram.

Na segunda parte o Dr. Sérgio comentará sobre esses índices, falará sobre a auditoria das contas em tempos de COVID e responderá perguntas.

Conheça os índices:
https://iegm.tce.sp.gov.br/help.html


3 - Governo Federal explica em nota como será distribuição do auxílio financeiro nas regiões do Brasil.

O secretário especial da Fazenda da Economia, Waldery Rodrigues, Portanto, explicou que, para cada região brasileira, o benefício será distribuído proporcionalmente da seguinte maneira: 9% - Centro-Oeste, 17% - Nordeste, 8% - Norte, 54% - Sudeste e 13% - Sul. As medidas representam impacto primário de R$ 344,63 bilhões - o que representa 4,74% do PIB.
Mas lembra também das contrapartidas. Veja mais detalhes na notícia abaixo.

Repercussão Planalto:
https://www.gov.br/pt-br/noticias/financas-impostos-e-gestao-publica/2020/05/governo-federal-preve-mais-recursos-para-estados-e-municipios-com-sancao-de-projeto


4 - FNP acredita que acordo da Lei Kandir no STF pode render R$ 5,2 bilhões aos municípios

O acordo depende da medida legislativa com a PEC 188 [Pacto Federativo] ou de lei complementar. O acordo em si não permite à União fazer essas transferências. Veja abaixo a matéria que trata do assunto:

https://www.fnp.org.br/noticias/item/2322-estados-e-municipios-podem-receber-ate-r-5-2-bilhoes-com-acordo-da-lei-kandir


5 - FNP também defende prorrogação de pagamentos de precatórios

A entidade argumenta que, com a certeza da queda de arrecadação os municípios não terão como arcar esse compromisso. Abaixo a notícia.

https://www.fnp.org.br/noticias/item/2320-desequilibrio-nas-financas-municipais-inviabiliza-pagamento-de-precatorios


6 - Municípios não são obrigados a criar cargo de advocacia pública

Não há modelo de simetria que obrigue os municípios à criação de órgão de advocacia pública, sob pena de ofensa ao pacto federativo. Com esse entendimento, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo julgou improcedente uma ação direta de inconstitucionalidade, por omissão, que pedia a criação de cargos de advogados públicos em Lutécia.

https://www.conjur.com.br/2020-mai-22/municipio-nao-obrigado-criar-cargos-advocacia-publica

------------------------------------- + ---------------------------------------

Nota distribuída pelo Secretário de Finanças de São José do Rio Preto conclama colegas para tentar aprovar REFIS mesmo em ano eleitoral


O argumento de Angelo Bevilacqua é que esta seria uma forma de permitir que as prefeituras façam caixa e os municípios possam deixar de se negativar numa hora de tantas restrições.


Veja a nota de Rio Preto na íntegra:


Aqui em São José do Rio Preto – estamos com uma queda prevista na arrecadação do mês de maio de aproximadamente 30% sobre o que fizemos de previsão.

Como compatibilizar aumento de custos com queda de receitas – nos últimos três anos fizemos o dever de casa... tivemos superávits expressivos, o que de certa forma nos deixa numa situação aparentemente confortável – mas com o aumento desses custos ficamos numa situação complicada – orçamento enxuto – precisamos conseguir recursos orçamentários para cobrir aumento de gastos principalmente na saúde – que sempre foi o nosso gargalo, ainda mais neste ano terrível.

Sempre fui legalista na minha vida pessoal, mas no caso do direito, tem os advogados legalistas e tem aqueles que tentam criar novas jurisprudências. 

A discussão que proponho – é que neste momento difícil, empresas deixaram de pagar seus parcelamentos, reparcelamentos, mas que começam a ter dificuldades na obtenção de certidões – e em ano político, não podemos propor nenhuma fora de novos parcelamentos ou reparcelamentos de dívidas, então, não seria a hora de tentarmos com a nossa união “brigar” para ver se conseguimos vencer a lei eleitoral e fazermos alguma coisa tanto para as empresas, pessoas e para as nossas finanças?

Não vejo uma alternativa viável para mudarmos esse cenário a médio prazo, o que dirá a curto prazo.. recessão de pelo menos 15% - inflação baixíssima, o dinheiro prometido que não chega nunca, empresas que não conseguem acesso ao crédito (estamos nas mãos de 5 bancos somente), filas imensas para pessoas receberem míseros 90 USD.. como resolver esses problemas sem uma alteração na lei que nos permita a gestão financeira sem  que ela seja considerada gestão política?

Os problemas são reais, o dinheiro é real, as pessoas são reais – mas a política é retórica. 

Um grande abraço a todos – que Deus nos proteja (eu já dobrei o cabo da boa esperança naturalmente, mas acho que desde que vim para cá assumindo a função de secretário, me aproximei mais ainda do cabo das tormentas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10.o SGESP - 20/7 - Abertura

         A abertura do 10.o SGESP ocorreu n o dia 20/7/2021, às 9 horas, com a presença de titulares de  entidades municipalistas e fazendárias.            Este ano o tema do seminário foi A Gestão Fazendária na Era Digital, assunto que não se esgotará tão cedo tendo em vista o estágio de nossos municípios, principalmente tendo enfrentado uma enorme crise na saúde, que ainda não se findou.          Todos os que participaram foram unânimes, a Era Digital já está aí, será o fim do papel, das filas em guichês e o avanço da inteligência artificial, ajudando os contribuintes, os cidadãos, mas, principalmente os servidores públicos que, ao invés de executarem seus serviços de forma automática, passarão a atuar na ciência e modernização de suas funções, sem perder a humanização.          Estamos longe? Pode ser, mas não podemos ignorar - o digital já chegou!          Especificamente na abertura, como ocorre t radicionalmente nos nossos eventos, os convidados da ASSEFIN apresentaram também as

SIAFIC - Comitê Gestor: Sistema Único é um software!

Aponte ^ a câmera do seu celular no  QR Code  (ou clique na figura) e participe! Como participar do Café da Manhã: 1. Para receber certificado: Inscrição 2. Para assistir: Youtube  - Facebook SIAFIC: Comitê Gestor firma entendimento de Sistema Único: ele é um software !         Desde o ano 2000, com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) existe uma palavra de ordem para os entes da Federação:  transparência  nas informações! O fundamento principal é a " liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira, em meios eletrônicos de acesso público".         Em 2009 aparece um conceito complementar à transparência dos gastos públicos para os entes da Federação, o de que também devem incentivar audiências públicas, o da adoção de um  sistema integrado  e que tenha um  padrão mínimo de qualidade .            Desta forma, foi editado o Decreto n.o 7.186 de 27/5/2010, o

IRRF injetará milhões na arrecadação municipal

            Bate-papo com secretários de finanças às 17 h dia 27-10           Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário com Repercussão Geral n.o 1.293.453 e na Ação Cível Originária no 2897, foi declarada  constitucional a incidência e a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte pelos municípios, estados e DF, sobre todos os pagamentos .         Duas coisas são importantes e merecem os grifos que fizemos acima, a repercussão geral , ou seja, o julgamento não atende só o município que apelou, e é i ncorporada à arrecadação municipal , todas as retenções na fonte de imposto de renda, não só pela incidência sobre o pagamento aos servidores, na folha de pagamento, mas também pelo que for pago aos fornecedores e prestadores de serviços.          A Receita Federal do Brasil vinha autuando os municípios que não repassavam o produto da arrecadação deste tributo, inclusive negando certidão negativa, entendendo que só o que era