Pular para o conteúdo principal

Como ficará a tributação pós pandemia? - Boletim ASSEFIN CVD 13 - 20/5/2020

1 - ASSEFIN discutirá como ficará o Brasil tributário pós pandemia;
2 - Prefeituras ganham mais tempo para fazer o Plano de Mobilidade Urbana;
3 - Governo faz aporte de R$ 5,5 bilhões para combate à Covid
4 - Municípios negativados por causa do CAUC podem ter problema solucionado.




1 - ASSEFIN solta pesquisa para pedir sugestões de temas que deverão ser abordados em seu seminário de julho. O Seminário de Gestão Pública Fazendária vai para a sua 9.a versão, desta vez de forma virtual. Haverá um Encontro de Secretários, o 19.o, com detalhes que divulgaremos brevemente.

Pedimos o obséquio da resposta da pesquisa (só 4 campos fáceis), muito rápido e simples, e o envio para grupos nas redes sociais, o que nos ajuda muito:


2. Prefeituras terão mais tempo para produzir Plano de Mobilidade Urbana:

De acordo com a nova lei, o PMU deve ser elaborado e aprovado até 12 de abril de 2022 para municípios com mais de 250 mil pessoas, e até 12 de abril de 2023 para as cidades com até 250 mil pessoas. O antigo prazo foi encerrado no dia 12 de abril de 2019 e todas as prefeituras que não cumpriram tiveram o acesso a repasses federais impossibilitados para obras de mobilidade urbana entre abril e novembro de 2019 (quando a MP 906 foi editada). Fonte: Agência Senado

Repercussão Senado


Repercussão CNM:

Lei na íntegra:

3 - Saúde ganha 5,5 bilhões para combate à Covid

O presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória (MP 967/2020) que libera R$ 5,5 bilhões para o Ministério da Saúde aplicar no combate ao coronavírus. A matéria foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União de terça-feira (19).

O Fundo Nacional de Saúde vai receber R$ 4,8 bilhões, enquanto a Fundação Oswaldo Cruz deve ficar com R$ 713,2 milhões. O dinheiro deve ser aplicado em atenção especializada à saúde. Fonte: Agência Senado

MP na íntegra:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2020/Mpv/mpv967.htm

Repercussão Senado


4 - CNM - se preocupa com municípios negativados no CAUC, mas vê uma solução:
Entidade entende que, com a sanção da lei de auxílio aos municípios isso pode ser sanado:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10.o SGESP - 20/7 - Abertura

         A abertura do 10.o SGESP ocorreu n o dia 20/7/2021, às 9 horas, com a presença de titulares de  entidades municipalistas e fazendárias.            Este ano o tema do seminário foi A Gestão Fazendária na Era Digital, assunto que não se esgotará tão cedo tendo em vista o estágio de nossos municípios, principalmente tendo enfrentado uma enorme crise na saúde, que ainda não se findou.          Todos os que participaram foram unânimes, a Era Digital já está aí, será o fim do papel, das filas em guichês e o avanço da inteligência artificial, ajudando os contribuintes, os cidadãos, mas, principalmente os servidores públicos que, ao invés de executarem seus serviços de forma automática, passarão a atuar na ciência e modernização de suas funções, sem perder a humanização.          Estamos longe? Pode ser, mas não podemos ignorar - o digital já chegou!          Especificamente na abertura, como ocorre t radicionalmente nos nossos eventos, os convidados da ASSEFIN apresentaram também as

SIAFIC - Comitê Gestor: Sistema Único é um software!

Aponte ^ a câmera do seu celular no  QR Code  (ou clique na figura) e participe! Como participar do Café da Manhã: 1. Para receber certificado: Inscrição 2. Para assistir: Youtube  - Facebook SIAFIC: Comitê Gestor firma entendimento de Sistema Único: ele é um software !         Desde o ano 2000, com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) existe uma palavra de ordem para os entes da Federação:  transparência  nas informações! O fundamento principal é a " liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira, em meios eletrônicos de acesso público".         Em 2009 aparece um conceito complementar à transparência dos gastos públicos para os entes da Federação, o de que também devem incentivar audiências públicas, o da adoção de um  sistema integrado  e que tenha um  padrão mínimo de qualidade .            Desta forma, foi editado o Decreto n.o 7.186 de 27/5/2010, o

IRRF injetará milhões na arrecadação municipal

            Bate-papo com secretários de finanças às 17 h dia 27-10           Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário com Repercussão Geral n.o 1.293.453 e na Ação Cível Originária no 2897, foi declarada  constitucional a incidência e a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte pelos municípios, estados e DF, sobre todos os pagamentos .         Duas coisas são importantes e merecem os grifos que fizemos acima, a repercussão geral , ou seja, o julgamento não atende só o município que apelou, e é i ncorporada à arrecadação municipal , todas as retenções na fonte de imposto de renda, não só pela incidência sobre o pagamento aos servidores, na folha de pagamento, mas também pelo que for pago aos fornecedores e prestadores de serviços.          A Receita Federal do Brasil vinha autuando os municípios que não repassavam o produto da arrecadação deste tributo, inclusive negando certidão negativa, entendendo que só o que era