Pular para o conteúdo principal

ASSEFIN participa, em Brasília, das discussões da Reforma Tributária


    
    

Reforma fatiada pode ser inflacionária e causar desemprego,
por conter aumento de carga tributária

        O presidente da ASSEFIN-SP, Adriano Luiz Leocadio, que é Secretário de Finanças em Santos-SP, está desde ontem em Brasília discutindo os rumos da Reforma Tributária, ele compõe, com um grupo com mais de uma centena de entidades municipalistas, uma frente que vai acompanhar e tentar influenciar as discussões.

        A ASSEFIN foi uma das primeiras apoiadoras do movimento do Simplifica Já, por isso o seu presidente entendeu que chegou a hora das cidades paulistas, através de seus titulares de finanças, levarem sua luta para onde tudo acontece, o Congresso brasileiro. Veja no manifesto do Simplifica Já!, abaixo, um resumo dessa proposta, ela procura a reforma no sistema tributário nacional para, além de simplificá-lo e desburocratizá-lo, aumentar a eficiência arrecadatória sem majorar a carga tributária, entre outros fatores que são apontados naquele documento.    

        Leocadio está sugerindo que os demais titulares de finanças do Estado de SP, e do Brasil, façam um diagnóstico de suas regiões, e que também produzam um documentos como o que foi feito na baixada santista, documento que também apresentamos abaixo em forma de breafing.

Apoio vice-presidente da Câmara

        Entre as diversas atividades em Brasília, o presidente da ASSEFIN, que também estava acompanhado de Alberto Macedo, um dos idealizadores do Simplifica Já!, participou de um coletiva de imprensa liderada pelo deputado Marcelo Ramos (PL-AM), que apoia o projeto. Em sua fala o deputado disse que vai defender a simplificação da tributação brasileira, com defende a frente municipalista, "principalmente com a desoneração da folha de pagamento", diz o vice-presidente da Câmara dos Deputados. Veja todas as propostas do deputado no link que colocamos abaixo.

        Alberto Macedo, um dos maiores defensores dessa simplificação, falou ontem, durante a coletiva, que a frente que apoia o projeto está cada vez mais ampla - com mais de 120 entidades apoiando, "nossa proposta é muito simples, faz as reformas do ICMS, do ISS e do PIS-COFINS, promovendo a desoneração da folha de pagamento". Ele diz que uma das grandes vantagens desta proposição é que, "não provoca guerra entre setores e entes e, principalmente, não gera aumento de carga tributária". 

        Por outro lado, Adriano, presidente da ASSEFIN, está preocupado caso ocorra realmente o fatiamento da reforma  criando a CBS - Contribuição de Bens e Serviços, que unificará e substituirá o PIS e a COFINS. "Em tese, a modificação impactará imediatamente as empresas “médias” de serviços, enquadradas no regime do lucro presumido, pois os seus preços possivelmente serão atingidos, já que o aumento da carga tributária de 3,65% (três inteiros e sessenta e cinco décimos por cento) para 12% (doze por cento) será repassada ao consumidor final, influenciando na demanda e prejudicando serviços essenciais, além de impactar em aumentos nas despesas governamentais pois o aumento da tributação dos serviços repercute no aumento dos preços e valores dos contratos" diz.


Posição oficial das entidades:

Documento elaborado pela SeFin de Santos
Breafing

Simplifica Já!
Manifesto - Pacto Nacional pela Reforma Tributária

Veja aqui a posição do deputado Alberto Ramos:
https://youtu.be/L9XEq_sKEVk 




Repercussão:

Jornal da Band Nacional
Empresários lançam pacto por reforma tributária

G1 - Grupo Globo
Entidades empresariais pedem 'pacto nacional' pela simplificação da reforma tributária

Amazonas atual
Marcelo Ramos lança Pacto Nacional Tributário com 120 entidades

Correio Brasiliense
Reforma longe do consenso

Folha de S. Paulo
Por um Pacto Nacional Tributário






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10.o SGESP - 20/7 - Abertura

         A abertura do 10.o SGESP ocorreu n o dia 20/7/2021, às 9 horas, com a presença de titulares de  entidades municipalistas e fazendárias.            Este ano o tema do seminário foi A Gestão Fazendária na Era Digital, assunto que não se esgotará tão cedo tendo em vista o estágio de nossos municípios, principalmente tendo enfrentado uma enorme crise na saúde, que ainda não se findou.          Todos os que participaram foram unânimes, a Era Digital já está aí, será o fim do papel, das filas em guichês e o avanço da inteligência artificial, ajudando os contribuintes, os cidadãos, mas, principalmente os servidores públicos que, ao invés de executarem seus serviços de forma automática, passarão a atuar na ciência e modernização de suas funções, sem perder a humanização.          Estamos longe? Pode ser, mas não podemos ignorar - o digital já chegou!          Especificamente na abertura, como ocorre t radicionalmente nos nossos eventos, os convidados da ASSEFIN apresentaram também as

SIAFIC - Comitê Gestor: Sistema Único é um software!

Aponte ^ a câmera do seu celular no  QR Code  (ou clique na figura) e participe! Como participar do Café da Manhã: 1. Para receber certificado: Inscrição 2. Para assistir: Youtube  - Facebook SIAFIC: Comitê Gestor firma entendimento de Sistema Único: ele é um software !         Desde o ano 2000, com a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) existe uma palavra de ordem para os entes da Federação:  transparência  nas informações! O fundamento principal é a " liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira, em meios eletrônicos de acesso público".         Em 2009 aparece um conceito complementar à transparência dos gastos públicos para os entes da Federação, o de que também devem incentivar audiências públicas, o da adoção de um  sistema integrado  e que tenha um  padrão mínimo de qualidade .            Desta forma, foi editado o Decreto n.o 7.186 de 27/5/2010, o

IRRF injetará milhões na arrecadação municipal

            Bate-papo com secretários de finanças às 17 h dia 27-10           Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário com Repercussão Geral n.o 1.293.453 e na Ação Cível Originária no 2897, foi declarada  constitucional a incidência e a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte pelos municípios, estados e DF, sobre todos os pagamentos .         Duas coisas são importantes e merecem os grifos que fizemos acima, a repercussão geral , ou seja, o julgamento não atende só o município que apelou, e é i ncorporada à arrecadação municipal , todas as retenções na fonte de imposto de renda, não só pela incidência sobre o pagamento aos servidores, na folha de pagamento, mas também pelo que for pago aos fornecedores e prestadores de serviços.          A Receita Federal do Brasil vinha autuando os municípios que não repassavam o produto da arrecadação deste tributo, inclusive negando certidão negativa, entendendo que só o que era